Pizzolato deixa Penitenciária da Papuda para cumprir pena em liberdade condicional

***FOTO DE ARQUIVO/HENRIQUE PIZZOLATO*** Escândalo do "Mensalão": Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil e ex-presidente do Conselho Deliberativo da Previ (fundo de pensão do BB), durante entrevista em São Paulo. Henrique Pizzolato, foi acusado de promover um evento em nome do banco para angariar fundos para o PT. Pizzolato também é suspeito de participar de um suposto esquema petista de caixa dois. O assunto está sendo investigado pela CPI dos Correios e a CPI do Mensalão. Em entrevista à Folha no escritório de seu advogado, afirmou que todos os contratos da sua área precisavam da aprovação de Luiz Gushiken, então titular da Secretaria de Comunicação do governo Lula. (São Paulo, SP, 22.07.2005. Foto: Antônio Gaudério/Folhapress)

O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato (foto) deixou nesta quinta-feira a Penitenciária da Papuda, no Distrito Federal, para cumprir o restante de sua pena em liberdade condicional. Ele foi liberado por volta das 14h. A informação foi confirmada pela Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal.

Pizzolato foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão, além de multa, pelos crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Em decisão divulgada nesta quarta-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso entendeu que Pizzolato cumpriu todos os requisitos objetivos e subjetivos do Artingo 83 do Código Penal para a concessão do benefício, como o cumprimento de mais de um terço da pena, bom comportamento e capacidade de prover sua própria subsistência mediante trabalho honesto.

Em maio, também por decisão de Barroso, o ex-diretor do BB progrediu do regime fechado para o semiaberto. Pizzolato começou a cumprir a pena em regime fechado em 2015, depois que foi extraditado pelo governo italiano, para onde tinha fugido após ser condenado, em 2012, pelo STF.  (Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil)