Paulinho da Força nega envolvimento em corrupção

SÃO PAULO, SP, BRASIL, 03-12-2012, 16h30: O presidente da Força Sindical e deputado federal Paulo Pereira da Silva em entrevista coletiva juntamente com representantes das centrais sindicais CUT, CTB, NCST e UGT nesta segunda-feira (03), para falar sobre as ações conjuntas que realizarão para pressionar pelo fim do Fator Previdenciário. Os dirigentes querem que a Câmara dos Deputados aprove um acordo negociado com os sindicalistas que substitui o Fator Previdenciário por uma nova fórmula de cálculo de aposentadoria que não penaliza os trabalhadores. (Foto: Marcelo Camargo/ABr)

Investigado na Operação Registro Espúrio, que apura um complexo esquema de corrupção no Ministério do Trabalho, o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da força (SDD-SP), negou nesta quarta-feira envolvimento. Segundo ele, o partido Solidariedade não faz indicações para o Ministério do Trabalho.

“A minha citação sobre a Operação Registro Espúrio deflagrada hoje pela Polícia Federal não possui nenhum fundamento, senão criminalizar o movimento sindical como um todo”, diz o parlamentar em nota.

Em seguida, acrescentou que “desconheço em absoluto os fatos investigados e esclareço que o partido Solidariedade não é o responsável pelas indicações no Ministério do Trabalho”.

Na manhã desta quarta, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão nos gabinetes de três parlamentares, na Câmara. Além do deputado Paulinho da Força, são investigados Jovair Arantes (PTB-GO) e Wilson Filho (PTB-PB).

Mais de 320 policiais federais cumprem 64 mandados de busca e apreensão, 8 mandados de prisão preventiva e 15 mandados de prisão temporária, além de outras medidas cautelares no Distrito Federal, São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais.