Operação conjunta em favelas do Rio deixa 21 mil crianças sem aula

 Operação conjunta de forças federais e estaduais, no Rio de Janeiro, deixou 21 mil alunos sem aula nesta segunda-feira na Zona Norte da cidade. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, 29 escolas e 21 unidades de educação infantil, localizadas no entorno das comunidades de Manguinhos, Jacarezinho, Complexo do Alemão, Mandela, Bandeira Dois e Parque Arará.

 Na região do Jacarezinho, as escolas estão fechadas desde o dia 11, quando começaram as operações policiais diárias na comunidade da zona norte da cidade do Rio.  Participam da operação as polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária Federal, as três Forças Armadas, a Força Nacional de Segurança Pública e a Agência Brasileira de Inteligência.

Pelo menos 20 pessoas foram presas na operação conjunta que faz parte do plano federal de segurança para o estado do Rio. Os policiais cumprem ordens judiciais em sete comunidades da zona norte do Rio de Janeiro: Jacarezinho, Alemão, Manguinhos, Mandela, Bandeira Dois, Parque Arará, além do Condomínio Morar Carioca.

Enquanto isso, os militares fazem cerco às comunidades afetadas. O espaço aéreo sobre essas áreas está restrito para aeronaves civis, mas o tráfego do Aeroporto Internacional Tom Jobim, que fica nas proximidades, não foi afetado.

Além das polícias estaduais (Civil e Militar) e das três Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), participam da ação agentes da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Força Nacional de Segurança Pública e da Agência Brasileira de Inteligência.

Integrantes do serviço Disque-Denúncia também participam da ação. Eles estão no Centro Integrado de Comando e Controle do Rio, repassando, em tempo real, denúncias de esconderijos de criminosos, armas e drogas para o comando da operação. Denúncias podem ser feitas anonimamente pelo telefone (21) 2253-1177.

Um soldado do Exército foi preso suspeito de ter vazado informações para criminosos das comunidades alvos da operação. De acordo com o Comando Militar do Leste, divisão do Exército responsável pelo Rio de Janeiro, o suspeito estava sendo monitorado e foi preso nesta segunda (Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil)