Lava Jato: PF registrou depoimento de testemunha que não ouviu

Procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato de Curitiba afirmaram, em diálogos hackeados, que uma delegada da Polícia Federal lavrou o termo de depoimento de uma testemunha sem que ela fosse ouvida.
“Como expõe a Erika: ela entendeu que era pedido nosso e lavrou termo de depoimento como se tivesse ouvido o cara, com escrivão e tudo, quando não ouviu nada… DPFs (delegado da polícia federal) são facilmente expostos a problemas administrativos”, afirmou Deltan Dallagnol (foto) em uma conversa por mensagens com o procurador Orlando Martello Júnior.
O diálogo, de 26 de janeiro de 2016, foi enviado pela defesa do ex-presidente Lula ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta segunda-feira.
Autorizado pela Corte, o escritório Teixeira Zanin Martins Advogados, que representa o petista, está analisando as mensagens interceptadas ilegalmente por um hacker que invadiu os telefones celulares de autoridades. O material foi recolhido pela Operação Spoofing, que investiga a invasão dos aparelhos, e disponibilizado para a defesa do ex-presidente.
Na resposta a Dallagnol, o procurador Orlando Martello diz, segundo os diálogos transcritos pelo perito Cláudio Wagner, contratado pelos advogados de Lula:
“Podemos combinar com ela (Erika) de ela nos provocar diante das notícias do jornal para reinquiri-lo ou algo parecido. Podemos conversar com ela e ver qual estratégia ela prefere. Talvez até, diante da notícia, reinquiri-lo de tudo. Se não fizermos algo, cairemos em descrédito. O mesmo ocorreu com padilha e outros. Temos q chamar esse pessoal aqui e reinquiri-los. Já disse, a culpa maior é nossa. Fomos displicentes!!! Todos nós, onde me incluo. Era uma coisa óbvia q não vimos. Confiamos nos advs e nos colaboradores. Erramos mesmo!”. O texto foi mantido com a grafia original.
Deltan Dallagnol, mais adiante, pondera: “Concordo. Mas se o colaborador e a defesa revelarem como foi o procedimento, a Erika pode sair muito queimada nessa… pode dar falsidade contra ela… isso que me preocupa”.
Os procuradores se referem à delegada apenas pelo primeiro nome. Na Lava Jato atuava uma delegada, Erika Marena, que trabalhou nela desde seus primórdios e de forma estreita com a equipe de procuradores.
Coordenadora das investigações, a policial chegou a ser apontada como responsável por batizar a operação. Não é possível, no entanto, saber se os diálogos se referem a ela.
Em 2018, Marena foi convidada por Sergio Moro para integrar sua equipe no Ministério da Justiça. Depois da saída dele, acabou exonerada.
A coluna procurou a policial, mas não conseguiu contato.
Na petição encaminhada ao STF, a defesa de Lula diz que os diálogos revelam uma “gravíssima realidade”.
“Além de terem praticado inúmeras ilegalidades contra o aqui reclamante (Lula), a construção de um cenário em que ele ocuparia a liderança máxima de uma afirmada organização criminosa envolveu o uso contumaz de depoimentos que jamais existiram”, dizem os advogados. (Mônica Bergamo – Folhapress)