Crivella decreta estado de calamidade pública e pede apoio ao governo federal

Após decretar estado de calamidade pública no município por causas das fortes chuvas que atingiram a cidade nesta semana, causando dez mortes, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, pediu nesta quinta-feira parceria do governo federal para recuperar o Rio.

“Precisamos cuidar das nossas encostas, ainda há riscos de desabamentos. Hoje de manhã estive na (Avenida) Niemeyer, muitas obras lá, mas há muita coisa pra fazer”.

Segundo Crivella, a decisão de publicar o decreto foi adotada na noite de quarta-feira, após uma avaliação da situação da cidade por meio de fotografias e radiografia de todas as encostas.

“O que ocorreu na Niemeyer é uma coisa que antecipa uma calamidade. Essa decisão foi ponderada por todos nós, os engenheiros da geotécnica, o pessoal da conservação, da infraestrutura, da habitação e da segurança. Às vezes a gente demora pra tomar uma decisão pra que ela seja bem pensada, ponderada. A pior coisa na vida é a gente ter pressa e se arrepender do que faz”.

Crivella informou que a prefeitura está em contato com a defesa civil federal e em breve serão anunciadas as ações emergenciais. “Já estamos entrando em contado com o pessoal da defesa civil federal, lá de Brasília. Daqui a pouquinho vocês vão saber de todas as medidas complementares, da regulamentação desse decreto e todos os planos que durante todo o dia de ontem fizemos”.

O prefeito conversou com a imprensa após a cerimônia que entregou crachás de regularização a 334 ambulantes de Campo Grande e de Santa Cruz.

De acordo com a prefeitura, os projetos, orçamentos e obras, quando forem definidos, serão encaminhados ao Ministério do Desenvolvimento Regional. O objetivo é priorizar obras que melhorem a infraestrutura da cidade para lidar com agravamentos das questões climáticas e para o remanejamento de populações que estejam em áreas de risco ou vulnerabilidade social, além de contenção de encostas e dragagens de rios.

O decreto tem vigência de 90 dias e pode ser prorrogado por igual período. Na tarde desta quinta-feira, a cidade permanecia em estágio de crise sem previsão de chuvas para as próximas 24 horas.

Permanecem totalmente bloqueadas a Avenida Niemeyer e o Alto da Boa Vista, nos dois sentidos; a Avenida Visconde de Albuquerque; Estrada do Magarça e Avenida Engenheiro Souza Filho, altura do Muzema e Rio das Pedras. A Estrada Grajaú-Jacarepaguá opera com bloqueios parciais e há um deslizamento na altura do quilômetro 1. A Ladeira do Leme, atrás do shopping Rio Sul segue interditada por conta de deslizamentos. Na Vista Chinesa, há interdição da Rua Dona Castorina, devido à queda de árvores e deslizamentos. (Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil)